Inicio Polícia História de acumuladora sensibiliza efetivo da BCS Calabar

História de acumuladora sensibiliza efetivo da BCS Calabar

Por urandionline

O olhar sensível despertado por moradores da comunidade do Calabar, em Salvador, alertou equipes da Base Comunitária de Segurança (BCS), localizada naquele bairro, para auxiliar na mudança de vida da dona Rosita, antiga moradora da comunidade que sofre de transtorno leve de acumulação. 

Impressionada com a quantidade de lixo amontoado dentro da residência e com o coração apertado em ver a situação da idosa de 76 anos, a comandante da BCS Calabar, capitã Aline Muniz, não contou esforços e convocou um time de colaboradores pra auxiliar na remoção dos materiais e limpeza da casa de dona Rosita. 

“No nosso primeiro contato ela estava um pouco na defensiva, sem mostrar que estava disposta a mudar de vida. Mas o trabalho de sensibilização também faz parte da nossa profissão”, contou Muniz, revelando que “após algumas horas de conversa, ela foi percebendo que estávamos ali para ajudá-la”.

Com a chegada das equipes de assistência social da Secretaria de Promoção Social e Combate a Pobreza (Sempre) e da Empresa de Limpeza Urbana de Salvador (Limpurb), ambas do município, dona Rosita foi conversando e, assim abrindo as portas da sua casa para que as equipes e os policiais iniciassem os trabalhos.

“Os homens da Limpurb não conseguiam nem abrir a porta da casa por conta da quantidade de lixo e material reciclável que foi encontrado. Nos partiu o coração em ver que ela dormia num papelão, no chão. É um risco que ela corria, principalmente nesse período de pandemia” contou Ivana Ramos, assistente social da Sempre. 

Dois caminhões de lixo foram necessários para remover o 1,5 tonelada do material. A idosa foi encaminhada para um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) onde passou por avaliação com profissionais de saúde, sendo encaminhada para tratamento.

A capitã Aline Muniz reforça o pedido de apoio de todo o município com doações. “Cuidamos dela todos os dias. Quem se sentir à vontade, e quiser fazer algo para apoiar dona Rosita, as portas da nossa Base Comunitária estarão sempre abertas”, concluiu.

Fonte: Ascom / Rafael Rodrigues

Posts relacionados

Deixe um comentário

Proibido plagiar