Inicio Brasil American Airlines é condenada por usar detector de mentiras em entrevistas com funcionários

American Airlines é condenada por usar detector de mentiras em entrevistas com funcionários

Por urandionline
Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília, diz que teste configurou ‘assédio moral’. Companhia alegou sigilo durante procedimento; indenização foi fixada em R$ 1 milhão.

A Justiça do Trabalho condenou a companhia norte-americana American Airlines a pagar R$ 1 milhão de indenização – por danos morais coletivos – pelo uso de um detector de mentiras durante entrevistas para a contratação de funcionários.

Para o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal – autor da ação –, o teste configurou assédio moral e causou danos à imagem e à honra dos trabalhadores.

Segundo o órgão, as perguntas feitas com o equipamento eram pessoais e questionavam temas como internação em hospitais, consumo de álcool ou drogas, antecedentes criminais e até teste de honestidade.

No processo, a empresa afirmou que o polígrafo (detector) foi usado como método de segurança. “É público e notório que pessoas mal-intencionadas se utilizam de aviões para fins escusos, como contrabando de mercadorias, tráfico de drogas e terrorismo”.

‘Violência à honra’

Durante o julgamento no TST, o ministro Hugo Carlos Scheuermann usou da jurisprudência do tribunal para rebater a defesa da empresa. Ele defendeu que o uso do detector de mentiras “viola a intimidade e não se justifica, e sequer é admitido na área penal, em razão da sua ausência de confiabilidade científica”.

A procuradora Mônica Lemos Ferreira, responsável por ajuizar a ação em 2011, afirmou que o sistema jurídico deve proteger a dignidade da pessoa humana e “não se conforma com tal afronta”.

“Não se pode conceber o constrangimento e a violência à honra como instrumento de gestão empresarial”, disse.

Outra condenação

Esta não é a primeira vez que a American Airlines é condenada pelo uso do detector de mentiras. Em 2017, a companhia foi condenada a indenizar, em R$ 25 mil, um agente de proteção da aviação civil. No processo, ele denunciou que foi submetido ao polígrafo durante sua seleção para a função.

Na época, o Tribunal Superior do Trabalho considerou que o procedimento adotado na entrevista violou o princípio de direitos humanos de que ninguém é obrigado a produzir provas contra si mesmo.

American Airlines

De acordo com a Corte do Trabalho, a American Airlines teve lucro líquido de US$ 1,91 bilhão em 2017. Atualmente, a frota da companhia é estimada em 1,5 mil aeronaves, e a receita operacional em US$ 42 bilhões.

Por:G1

Posts relacionados

Deixe um comentário

Proibido plagiar